Instagram anuncia nova plataforma de compras e promete ser a rede mais lucrativa

- Em - Comunicação, Redes Sociais

Falar que o Instagram é a rede social que mais cresce não é exagero. Analistas da consultoria Jefferies afirmam que a rede será capaz de gerar uma receita de cerca de US$ 14 bilhões em 2019 — um crescimento de 60% em relação ao ano passado. Sendo assim, este ano o Instagram vai ganhar, mais uma vez, a plaquinha de “funcionário do mês” na empresa de Mark Zuckerberg. Merece, né? Afinal, são mais de 1 bilhão de contas ativas todo mês

As expectativas de crescimento compreendem aumento de números de usuários, tempo de uso e também de investimentos em anúncios. Nesta última terça, dia 19, Instagram anunciou uma nova plataforma de compras – a Checkout – que promete mudar a experiência dos usuários e facilitar a vida de muitas empresas que trabalham com o modelo B2C  (business-to-consumer).

Ainda em versão beta, a plataforma conta com a participação de mais de 20 marcas de beleza e moda, permite que os consumidores confiram e comprem produtos, além de gerenciar seus pedidos sem sair do app. Antes disso, os usuários só podiam deslizar o dedo sobre um produto ou imagem por meio do Instagram Stories ou feed, e acessá-lo no site de uma marca para realizar a compra.

Entenda o novo recurso

Durante o teste, quando um usuário toca no botão “Visualizar o produto”, ele verá a opção “Checkout on Instagram” em vez de ser levado a um site de comércio eletrônico. Quando uma pessoa insere todas as informações no Instagram (que podem ser salvas para compras futuras), ela pode comprar diretamente e gerenciar seus pedidos no aplicativo.

Por enquanto, só será possível comprar um produto por vez, mas a equipe do Insta está buscando formas de melhorar a experiência e adicionar um “carrinho de compras”.

O Instagram cobrará uma taxa para as empresas que venderão através da plataforma, e que inclui os custos de processamento de cartões de crédito e outras despesas relacionadas à transação, mas ainda sem muito detalhes sobe valores.

Os empresários podem se perguntar se será um recurso eficiente. Bem, o tempo dirá, mas não podemos fechar os olhos para as estatísticas recentes: 80% dos usuários da rede seguem empresas; cerca de 85% dos usuários usam o Instagram para descobrir novos produtos e serviços; 60% ouviram sobre um produto ou serviço pela primeira vez via app; e 83% admitem que a exposição do produto ou serviço no Instagram é decisivo para a compra.  De acordo com a rede, existem mais de 8 milhões de contas comerciais e mais de 1 milhão de anunciantes mensais. Ou seja, o Instagram deixou, há muito tempo, de ser apenas um app de compartilhamento de fotos e se tornou um canal eficiente para fazer negócio. 

Instagram anuncia nova plataforma de compras e promete ser a rede mais lucrativa
Reprodução Zara

Para as lojas brasileiras que já estão interessadas no recurso, calma. A plataforma começará a ser testada nas próximas semanas para usuários móveis nos EUA. Eles poderão conferir produtos de marcas como Adidas, Anastasia Beverly Hills, ColourPop, Huda Beauty, KKW Beauty, Kylie Cosmetics, Nike e Cabelo De Ouai. As empresas foram selecionadas com base em sua adesão e desempenho de compras no Instagram, de acordo com Paige Cohen, porta-voz da rede. Além disso, o Instagram tentou escolher marcas que refletissem uma ampla variedade de produtos e preços.

Como esse recurso pode ser bom para minha empresa?

Quando a funcionalidade estiver aberta para todas as empresas, pode ser algo muito eficiente para as marcas menores, que não possuem recursos para desenvolver e administrar uma plataforma própria de e-commerce (um investimento relativamente alto e que requer manutenção constante).

O que as marcas brasileiras podem fazer no momento é acompanhar o desempenho da nova plataforma nos Estados Unidos e fazer testes de acesso às funcionalidades com pessoas que morem por lá (acionem os contatos!). Assim, já podem ir se preparando para quando a funcionalidade chegar por aqui.

Caso a plataforma in-app se mostre efetiva, as empresas que realizam comércio eletrônico podem ganhar muito ao concentrar a experiência do usuário em um único local. Vamos acompanhar.

Leia também: Sem likes, mas ainda ansiosos

*Kadydja Albuquerque é sócia do Conversa e especialista em Gestão da Comunicação nas Organizações. Além disso, adora comprar on-line.

Compartilhe nas redes sociais